Projeto Ockham
Pesquisas médicas Entendendo as pesquisas médicas

por Alexandre Taschetto de Castro mail
em 10/08/04

Fatores estatísticos

Fórum Enviar artigo

Uma análise estatística correta é de extrema importância para se chegar a conclusões válidas a partir da imensa quantidade de dados brutos obtidos em uma pesquisa experimental. Não entraremos em detalhes aqui, mas existem diversas armadilhas que podem enganar um pesquisador descuidado. Para uma discussão mais detalhada, recomendamos os artigos de Trisha Greenhalgh, da excelente série "How to Read a Paper: The Basics of Evidence Based Medicine", publicada no British Medical Journal: "Statistics for the non-statistician: Different types of data need different statistical tests" e "Statistics for the non-statistician. II: "Significant" relations and their pitfalls".

Mas fatores estatísticos precisam ser levados em consideração antes mesmo do início do estudo - por exemplo, o tamanho dos grupos de pacientes que serão incluídos. Grupos grandes demais aumentam desnecessariamente o custo e a complexidade do estudo. Grupos pequenos demais podem não ser suficientes para detectar um padrão estatístico existente, podem não ser representativos da população em geral e estão mais sujeitos a serem influenciados por variações aleatórias (quanto maior o grupo maior a chance desses erros se cancelarem). Este último caso é claramente ilustrado pelo teste de jogar uma moeda. A probabilidade de se obter cara ou coroa é igual - 50% - e uma seqüência de lançamentos deveria, a princípio levar a um número igual dos dois resultados. Mas em uma série com poucas tentativas, por exemplo, não é incomum obter um número bem maior de um dos resultados. Esta tendência diminui à medida que se aumenta o número de lançamentos - quanto maior esse número, mais a distribuição de resultados se aproxima de 50-50. Este problema é conhecido como estatística de números pequenos e decorre do fato de que a estatística trabalha com probabilidades e não com certezas. Assim, é comum encontrar estudos com um pequeno número de pacientes recebendo muita publicidade na imprensa, mas deve ser lembrado que estes resultados servem apenas como uma indicação preliminar de algo que deve ser estudado de forma mais detalhada e não como estudos conclusivos.

Mesmo que o grupo estudado tenha um tamanho adequado, é preciso certificar-se que ele seja acompanhado por um período adequado, de forma a garantir que as variações encontradas sejam significativas. Os efeitos de um protocolo nutricional, por exemplo, podem levar até anos para se manifestar. Um caso clássico é o das dietas - ainda que determinada dieta leve a uma perda de peso em questão de dias, este efeito pode ser (e muitas vezes é) temporário, sendo necessário acompanhar os pacientes por um período mais longo.

Além da duração do acompanhamento, os abandonos também precisam ser levados em consideração. Abandonos podem ser forçados pelos organizadores do estudo (ao se descobrir que o paciente foi incluído indevidamente no estudo ou desenvolveu alguma outra doença durante o período, por exemplo) ou decididos pelo paciente (por falta de motivação, mudança para outra região, etc). Os resultados registrados para os pacientes que abandonam o estudo durante sua realização também precisam ser analisados, já que ignorá-los tende a afetar as conclusões do estudo (geralmente a favor do medicamento sendo avaliado).

Por esta descrição resumida, deve ter ficado claro que estudos médicos são procedimentos complexos, que devem ser analisados como tal. Mesmo os melhores e mais cuidadosos pesquisadores estão sujeitos a erros e, por isso, qualquer conclusão relacionada a nossa saúde só é adotada pela comunidade médica após vários estudos bem executados apresentarem resultados similares. Para os leitores que quiserem se aprofundar no assunto, voltamos a recomendar a série de artigos de T. Greenhalgh. Isto significa que manchetes de jornais relatando descobertas chocantes do "mais recente estudo" precisam ser lidas com cuidado. E que conclusões revolucionárias sobre terapias alternativas ou milenares não podem ser obtidas a partir de relatos pessoais ou alguns estudos isolados. Vamos mostrar alguns exemplos a seguir.

Alguns exemplos
Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem