Projeto Ockham
Astrologia Astrologia

por Ana Luiza Barbosa de Oliveira mail
em 08/12/02

Qual é o mecanismo da astrologia?

Fórum Enviar artigo

Não pode ser a gravidade ou outra força conhecida pela Ciência

Muitos apontam como evidência da influência dos astros sobre as pessoas o fato da gravidade do Sol e da Lua serem fortes o suficiente para causar a subida e descida das marés. Se a Lua pode afetar os marés pode certamente afetar uma pessoa, afinal, assim como os oceanos, nós somos constituídos por 70% de água e que passamos 9 meses flutuando em água salgada, o líquido amniótico. No entanto, estudos sobre a influência da Lua sobre as pessoas mostram o contrário.

Além disso, tanto a teorias gravitacionais de Newton e de Einstein quanto a teoria eletromagnética de Maxwell comprovam que o efeito dos astros sobre pessoas é complemente desprezível, isto é, muito menor do que o efeito dos outros corpos na própria Terra. O obstetra que realiza o parto de uma criança exerce uma atração gravitacional sobre ela seis vezes maior do que o planeta Marte, pois embora a massa de Marte seja muito maior do que a do obstetra, o planeta está muito mais distante.

Roger Culver e Philip Ianna no seu livro sobre astrologia, Astrology: True or False (1988, Prometheus Books), fizeram vários cálculos mostrando que para qualquer força, seja ela gravitacional ou magnética, os efeitos dos planetas são desprezíveis quando comparados àqueles exercidos por objetos e pessoas na própria Terra.

Um efeito desconhecido que não depende da distância

Alguns astrólogos afirmam que realmente não é nenhuma das forças conhecidas o mecanismo por trás da astrologia.

As quatro forças conhecidas pela Ciência, gravidade, eletromagnetismo, forças nuclear forte e nuclear fraca, descrevem o universo muito bem sem a necessidade de nenhuma outra força. Mas a astrologia alega existir uma "efeito astrológico" que só se manifesta no que diz respeito à vida das pessoas e que não depende da distância. O efeito dos planetas, como Marte, sobre os horóscopos é o mesmo quando Marte está do mesmo lado do Sol que a Terra e quando ele está do outro lado do Sol, cinco vezes mais distante. Se o efeito não depende da distância, porque não levar em conta o efeito das estrelas mais distantes, galáxias, quasares e buracos negros? Porque só considerar as estrelas visíveis a olho nu e os planetas? Existem bilhões de objetos estupendos em nosso universo que podem exercer sua "força astrológica" sobre nós. Será que um horóscopo que não leva em consideração a influência de Rigel, o pulsar existente na nebulosa do Caranguejo ou o buraco negro no centro da Via Láctea está realmente completo?

É interessante notar que outros objetos do nosso sistema solar como os asteróides são deixados de fora da análise astrológica individual.

Não é função da luminosidade do corpo celeste

A influência astrológica também não depende da visibilidade dos corpos celestes, pois apesar de somente as estrelas visíveis serem consideradas, os planetas invisíveis a olho nu, Urano, Netuno e Plutão, são considerados nos atuais cálculos astrológicos.

Outros aspectos nebulosos
Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem