Projeto Ockham
Astrologia Astrologia

por Ana Luiza Barbosa de Oliveira mail
em 08/12/02

Conclusões

Fórum Enviar artigo

Carl Sagan em seu livro Um Mundo Assombrado por Demônios apresenta uma metáfora muito útil para analisar um tipo de alegação muito comum nas pseudociências: o dragão flutuante invisível que cospe fogo frio na garagem. Este é um exemplo de alegações que não podem ser testadas e asserções que não podem ser negadas, as quais não possuem valor algum, não importa o quão maravilhosas e inspiradoras elas sejam.

Além disso, os astrólogos e outros seguidores de pseudociências criam explicações ad hoc: para cada teste proposto ou realizado eles apresentam suas explicações especiais: "os astrólogos consultados não eram profissionais de primeira linha", "há mais coisas entre o céu e a terra que imagina nossa vã filosofia", "não é nenhuma força conhecida da Ciência" (mas não descrevem esta nova força, nem apresentam evidência da sua ação) e por aí vai.

A astrologia existe há cerca de 5000 anos e até hoje não foi apresentado nenhum mecanismo que explique porque a posição de alguns corpos celestes (aqueles visíveis a olho nu e os planetas descobertos mais recentemente) têm influência sobre a personalidade e destino das pessoas. Nesse meio tempo a Astronomia evoluiu desde o geocentrismo até o espaço curvo de Einstein. Seriam os astrólogos menos inteligentes? Não é o caso, pois muitos dos grandes astrônomos ganhavam a vida como astrólogos e, apesar de terem proposto teorias que em muito contribuíram para a astronomia (Kepler foi um deles), por algum motivo eles não propuseram nenhuma teoria astrológica.

É claro que somente porque nenhum mecanismo foi proposto, não implica a priori na inexistência do fenômeno. No entanto, os astrólogos também não apresentam evidências sólidas de que o fenômeno existe. Nenhum observador externo consegue ver o fenômeno, não existe nenhum mecanismo proposto, parece um dragão invisível flutuante que cospe fogo frio.

A Astrologia pode ser considerada uma Arte e como todos os oráculos (jogo de búzios, tarô, quiromancia etc) não possui nenhuma base científica. Neste caso, os astrólogos estão corretos porque não cabe questionar a Astrologia através do método científico. Porém eles não podem alegar nenhum valor empírico na sua arte. Mas se por outro lado, eles desejarem ser reconhecidos como cientistas, devem se comportar e serem avaliados como tais.


Leia mais:

Dicionário do Cético

Departamento de Astronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

The Astronomical Society of the Pacific

Science and Astrology

Espaço Astrologia

Voltar à lista de Pseudociências
Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem