Projeto Ockham
Discursos Reversos Mensagens subliminares II: Os discursos reversos

por Widson Porto Reis mail
em 20/04/04

Os problemas com os discursos reversos

Fórum Enviar artigo

O grande problema do Discurso Reverso é que a maior parte de suas extraordinárias alegações simplesmente não podem ser testadas pela ciência. Por exemplo: quando perguntado se os discursos reversos sempre dizem a verdade sobre os pensamentos de uma pessoa, Oates explica que 20% de todas as mensagens reversas representam a voz do consciente e não correspondem necessariamente à verdade; os outros 80% são mensagens reversas oriundas do inconsciente, estas sim, revelam sempre a verdade sobre a psique humana. E como saber a diferença? Oates explica que somente uma pessoa treinada (por ele, evidentemente, que possui a patente da técnica) é capaz de diferenciar "em quase 100% dos casos" um discurso reverso verdadeiro de um outro falso. Como é típico de pseudociências, como astrologia e outras similares, o sucesso da técnica reside em fatores pessoais e subjetivos. Isto impossibilita que duas pessoas realizando experimentos independentes e seguindo os mesmos procedimentos possam comparar seus resultados, o que é base da ciência.

Ainda sobre as características do discurso reverso, Oates diz que eles (1) podem concordar com o discurso normal, (2) podem acrescentar informação ao discurso normal, (3) podem contradizer totalmente o discurso normal, (4) podem conter exatamente as mesmas palavras que o discurso normal, (5) podem concordar com palavras ditas num discurso normal antes do ponto em que aparecem. Em outras palavras: absolutamente tudo pode acontecer! O problema é que uma teoria que prediz que basicamente qualquer coisa pode acontecer não pode ser testada; não há como alguém produzir um experimento que diga: "Ei, isso que você diz que devia acontecer não aconteceu, logo esta teoria é falsa!".

Quanto aos efeitos terapêuticos do Discurso Reverso, Oates afirma que com 10 a 12 sessões de sua técnica de "reestruturação metafórica", combinadas com acupuntura, massagens e tratamentos com ervas, pode-se curar males como insônia, depressão, asma, artrite e dores de maneira geral. Como não se pode ignorar os benefícios de uma boa massagem em problemas de origem psicossomática, nem os efeitos que podem ser obtidos com ervas naturais, o tratamento de Oates parece ser como um remédio para sede que deve ser tomado com bastante água. Aliás, é importante notar que Oates não informa em seu site se possui alguma formação acadêmica que o habilite a transitar na área médica/psicológica.

Com alegações que não podem ser testadas, David Oates continua à margem da ciência. Mas embora o caráter oracular dos discursos reversos não possa ser verificado, os cientistas podem ao menos tentar comprovar se discursos reversos existem realmente na fala humana. Foi o que fizeram os pesquisadores Mark Newbrook e Jane Curtain no estudo intitulado "David Oates' Theory of Reverse Speech". Mark e Jane prepararam fitas com as mais significativas gravações feitas por Oates - justamente aquelas que ele usa em seus seminários para demonstrar a autenticidade dos discursos reversos. Então separaram 40 pessoas em 4 grupos - A, B, C e D - e pediram a elas que ouvissem estas fitas e marcassem em um questionário as frases, palavras e sílabas que conseguissem distinguir em meio ao borrão sonoro. Ao grupo A foi dito quais eram as frases que Oates alegava estarem contidas nas gravações, enquanto que ao grupo B foi dito que as frases nas fitas eram outras, muito parecidas foneticamente, mas diferentes das de Oates. Já o grupo C foi instruído de que havia frases nas fitas, mas nada foi dito sobre elas. E finalmente ao grupo D tudo o que foi dito é que poderia ou não haver frases nas fitas, nada mais.

Ao final da audição os grupos A e B, que sabiam quais frases procurar, encontraram significativamente mais resultados "corretos" (ou seja, iguais aos que procuravam) do que os grupos C - que não sabia que frases poderiam encontrar - e o grupo D - que não sabia sequer se havia frases escondidas nas fitas. Note que as pessoas do grupo B foram capazes de distinguir nas gravações frases que foram inventadas pelos pesquisadores só porque lhes foi dito que elas estavam lá. Ou seja, elas ouviram o que esperavam ouvir.

Este estudo é mais um a demonstrar o poder da sugestão em quem procura por discursos reversos, seja nos discos de rock, seja nas conversas de bebês. Os dados completos do trabalho, juntamente com a análise detalhada dos resultados podem ser encontrados aqui.

Conclusão
Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem