Projeto Ockham
Disney Mensagens subliminares III: Disney erótica

por Widson Porto Reis mail
em 10/08/04

Introdução

Fórum Enviar artigo

Na verdade as supostas mensagens subliminares escondidas nos desenhos da Disney são apenas um dos ingredientes de um grosso caldo de moralismos e preconceitos: os anões de "Branca de Neve" e a árvore falante de "Pocahontas" são vistos como referências pagãs; as feitiçarias de Mickey em "Fantasia" são vistos como símbolos ocultistas; o desenho "A Pequena Sereia" é classificado um "filme pornográfico infantil". Também são mencionados os fatos de que Pato Donald e Mickey nunca se casam com Margarida e Minnie, nem constituem família; que os sobrinhos do Pato Donald não mencionam seus pais e são muito felizes assim mesmo; que a música tema de "O Rei Leão" é de Elton Jonh, um cantor homosexual; que Bambi é um veadinho efeminado... a lista é interminável e inclui ataques a sexualidade de vários membros da Disney, incluindo o próprio Walt Disney que seria "ateu racista e nazista" (tudo do site da ONG Mensagem Subliminar).

Mas porque a Disney sofre tamanho escrutínio de alguns grupos religiosos? É verdade que alguns desenhos da Disney não abordam temas que podem ser considerados genuínamente cristãos - especialmente numa definição mais fundamentalista - mas afinal, quantos outros o fazem? É muito importante esclarecer este ponto logo de saída já que mostramos em outros artigos que muitas mensagens subliminares, tanto visuais quanto auditivas, são percebidas somente por quem está prediposto a vê-las.

A mais recorrente acusação que você verá contra a Disney é de que ela é responsável por promover o "Gay Day at Disneyland" (Dia gay na Disneylândia), uma parada gay que acontece anualmente no parque desde 1991. Na verdade, o evento é organizado por grupos privados e nada tem a ver com a Disney cujo parque é, evidentemente, aberto a todos. A Disney também é acusada de publicar o livro "Growing Up Gay" através de sua subsidiária, a editora Hyperion Press. O livro que ensina a conviver com a homosexualidade, não é, a despeito do que dizem os grupos religiosos, um livro direcionado aos adolescentes, mas aos adultos e não se destina a convencer um heterosexual a mudar de orientação (como se isso fosse possível). O fato da Disney estender aos seus funcionários homosexuais que mantem relações estáveis os mesmo benefícios trabalhistas de seus funcionários casados também não é bem aceito por muitos.

Mas a gota d'água veio em 1994, quando a Miramax, uma subsidiária da Disney, produziu o filme "Priest" do diretor Antonia Bird. A história de um padre gay, cujo superior não mantém o celibato, que deve decidir se viola o voto de confissão para salvar uma garota molestada sexualmente pelo pai foi eloqüentemente elogiado pela crítica, mas causou horror entre os grupos cristãos americanos. Apesar da Disney ter negado qualquer associação com o filme e qualquer influência nas decisões criativas da Miramax, em março de 1995 a Liga Católica iniciou um boicote a todos produtos relacionados à marca Disney, que logo foi abraçado pela Convenção dos Batistas Sulistas. Com o boicote, diversos rumores sobre mensagens subliminares nos desenhos da Disney foram trazidos à tona e passaram a ser usados para dar força à acusação de que a Disney está determinada a deturpar os valores familiares cristãos.

O mais notório destes rumores foi levado a público pela primeira vez nos EUA pela Movie Guide Magazine, uma revista cristã de cinema. No artigo entitulado "Aladin Exposto" a revista alegou haver uma cena em que se pode ouvir ao fundo a frase "good tennagers, take off your clothes" (bons adolescentes, tirem suas roupas). Quando alguns meses depois a Disney enviou uma carta à revista afirmando que a frase era simplesmente "Scat, good tiger, take off and go" (Scat, bom tigre, decole e vá; Aladin tem um tapete voador e take off serve tanto para tirar quanto decolar), o editor da Movie Guide se retratou admitindo que não havia sinal de manipulação subliminar no filme. Claro que este pequeno detalhe da história não é mencionado pelos sites crédulos.

Outro rumor muito popular é de que no filme "A Pequena Sereia" o padre que celebra o casamento de Ariel tem uma ereção durante a cerimônia. Na verdade a protuberância que dá origem ao rumor é o joelho do personagem, que pode claramente ser visto em outras cenas - cenas que logicamente, nunca são mostradas nos sites crédulos...

Pequena Sereia
Pequena Sereia

Em "O Rei Leão" quando Simbad se deita à beira de um abismo levanta uma nuvem de poeira que se dispersa gradualmente contra o céu estrelado. Durante um breve momento, esta nuvem parace formar as letras "S-E-X". Diz a lenda que as letras foram descobertas por uma criança de 4 anos (!) que comentou o fato com a mãe (ou tia, dependendo de quem conte a história). A explicação normalmente aceita é de que as letras, se é que são algo mais que força da sugestão, formam a sigla "SFX" que designa o grupo responsável pelos efeitos especiais em um filme.

Rei Leão

Por algum motivo difícil de explicar, "O Rei Leão" está associado a diversas lendas urbanas escabrosas. O site da ONG Mensagem Subliminar traz várias delas; conta por exemplo que depois de assistir ao desenho: "(...) uma criança disse à sua mãe que cortava carne na pia: «mãe eu quero sua faca». A mãe perguntou para que? A criança respondeu: «Eu quero matar você. O Rei Leão disse que eu posso matar você!»". Só isso. Mais nenhuma informação: nenhum nome, nenhum local, nenhum link para uma agência de notícias, nenhum recorte de jornal, nenhuma prova. É como dizer: acredite se quiser. É espantoso que sites que espalhem histórias assim clamem por credibilidade.

Mas nem tudo é mito
Cadastre seu email para receber nosso boletim:
Pipoca com Ciência

Dragão da Garagem